Estratégia

7 características de inovação radical e inovação incremental: veja qual usar em sua empresa

By 26 de fevereiro de 2019 No Comments

Inovação radical e inovação incremental: você saberia diferenciá-las?

Antes de explorar o assunto, é importante destacar a relevância de constantes inovações, sejam elas mais brandas ou completamente disruptivas.

Vemos constantemente grandes empresas do Brasil e do mundo investindo boa parte de seu faturamento em inovação. A grande verdade é que, nos dias de hoje, ficar estagnado em relação ao mercado, sem melhorias ou mudanças em produtos e serviços não é mais uma opção.

As startups e pequenas empresas vêm seguindo o mesmo caminho. Sabem que, para se destacarem, precisam trabalhar com inovação radical e inovação incremental sempre que possível. Somente assim podem alcançar novos públicos e crescer de maneira sustentável.

Mas, como saber qual desses dois tipos de inovação melhor se encaixa na realidade da empresa? Adotar uma opção mais leve, para ajustar ou melhorar algo, ou partir para uma abordagem mais radical?

A escolha entre inovação radical e inovação incremental depende dos objetivos propostos pela empresa, mas ambas as opções podem oferecer excelentes resultados para empreendedores e, consequentemente, seus consumidores.

Acompanhe o que é inovação radical e inovação incremental, veja exemplos e saiba como diferenciá-las e escolher a melhor opção para o seu negócio!

O que é inovação incremental?

A inovação incremental é aquele tipo de melhoria em um produto ou serviço, que beneficia os consumidores de alguma forma. Trata-se de um aperfeiçoamento em algo que já existe, sem impactar modelos de negócio.

O que significa que não chega para quebrar um paradigma, mas para evoluir algo. Ainda assim, é uma inovação e, portanto, extremamente positiva para a empresa, embora percebida de maneira mais sutil.

Uma inovação incremental geralmente é criada para:

  • Reduzir custos;
  • Otimizar processos existentes;
  • Conquistar maior satisfação do cliente;
  • Aumentar vendas e lucros de produtos e serviços existentes.

Também é uma forma da empresa se manter competitiva no mercado, mesmo que com o mesmo modelo de negócio.

Em outro conteúdo da página, já demos exemplos de como inovar um produto já existente. A inovação incremental existe justamente para que os empresários possam pensar fora da caixa e suprir novas demandas. Diferentes colaboradores e cargos também podem auxiliar na percepção de possíveis inovações incrementais.

Esta costuma se consolidar rapidamente, de maneira estável e sem grandes riscos. Quer ver um exemplo?

Exemplo de inovação incremental

As fabricantes de smartphone, quando criam uma nova geração de determinado modelo, lançando telas menores, câmeras superiores e baterias mais eficientes, acrescentando ainda funções adicionais, estão utilizando uma inovação incremental.

Outro exemplo de inovação incremental seria uma fabricante de automóveis criar um carro mais econômico, compacto ou confortável para o motorista. Embora não transforme o modo como o consumidor dirige de fato, melhora o produto para que permaneça competitivo e satisfatório.

Para o cliente, a inovação incremental acaba sendo mais fácil de aceitar. Afinal, eles já estão acostumados com aquele produto e, quando adquirem o novo, esperam melhorias, mas não mudanças radicais naquilo que já conhecem.

O que é inovação radical?

Nada discreta, a inovação radical é mais complexa e aparente. Ela chega para quebrar paradigmas, mudando drasticamente um produto ou serviço ou como ele é oferecido.

Geralmente implica na ruptura de processos existentes, uma vez que transforma mercados ou até mesmo cria possibilidades totalmente novas para consumidores.

Em uma estratégia empresarial, significa dizer que a empresa não quer mais lutar por uma “fatia do bolo” do mercado. Ao invés disso, deseja criar um novo mercado, totalmente novo, se afastando da concorrência convencional.

Uma inovação radical tem objetivos mais ambiciosos, como:

  • Pioneirismo;
  • Aumento considerável no lucro;
  • Participação única em um novo mercado;
  • Possibilidade de inovar continuamente com base na criação inicial, onde a novidade já era a essência.

Embora as vantagens possam ser únicas e transformadoras para a realidade da empresa e do mercado, inovar radicalmente não é uma tarefa fácil. O processo pode ser não somente difícil, mas também demorado e arriscado. Costuma-se investir muito, mas sem perspectivas claras de retorno, portanto todo planejamento e timing ainda são pouco para estruturar uma inovação dessas.

Recentemente escrevemos um artigo sobre exemplo de inovação de processo, que se encaixaria perfeitamente neste tema de inovação radical. O exemplo que utilizamos pode ser aplicado aqui, conforme veremos abaixo.

Exemplo de inovação radical

Ao citarmos o setor automotivo, usar energia elétrica como forma de combustível em um carro é um exemplo de inovação radical em produto.

Já em processos, o caso de Henry Ford, que, no início do século XX, desenvolveu uma nova maneira de produzir veículos ao implementar pela primeira vez uma linha de montagem, é outro grande exemplo. Até então, os carros eram produzidos sob encomenda e, a partir de sua inovação radical, passaram a ser produzidos em massa. Obviamente, outras empresas seguiram o seu modelo posteriormente, mas a inovação inicialmente foi autoral, disruptiva e transformou um processo estabelecido da época.

Para os clientes, uma grande inovação pode parecer confusa se não for bem estruturada. Ao mesmo tempo, quando demonstra qualidade e bons resultados, faz com que todos queiram usar esse serviço sem pensar duas vezes. Conquista, assim, uma grande – senão a maior – parcela do mercado.

Você sabe o que é inovação disruptiva?

Este vídeo (em inglês) criado pela Harvard Business Review pode te ensinar muito sobre isso:

Leia mais: O que é inovação disruptiva e como ela é capaz de transformar pequenas e grandes empresas

Comparativo: 7 características de inovação radical e inovação incremental

Depois de entender inovação incremental e radical, exemplos e seus principais objetivos, vamos a um comparativo entre os dois. Em relação às suas principais características, podemos destacar:

1- Acessibilidade

A inovação incremental acaba sendo mais acessível para as empresas. Isso porque, geralmente, já possui estrutura e capital para continuar inovando naquele mesmo tipo de produto ou serviço. Enquanto isso, a inovação radical, na busca por novos paradigmas, precisa criar situações novas.

2- Custos

Os custos também exigem da inovação radical mais esforço, quanto a um investimento alto para criar um produto ou serviço totalmente novo, enquanto a inovação incremental tem gastos mais sob controle, pontuais em relação às melhorias que são previstas.

3- Processos

Por outro lado, embora a inovação incremental não tenha processos que pesem grandes riscos e incertezas, caminhando sempre sob o mesmo modelo, com a inovação radical é possível criar regras totalmente novas, que podem acabar sendo seguidas por concorrentes futuramente.

4- Tempo

O tempo dos projetos é claramente diferente entre esses dois tipos de inovação. Quando incrementa algo, geralmente leva-se de seis meses a no máximo dois anos para pensar e implementar as mudanças. Já na inovação radical, a ideia é que o período seja bem mais longo. E aquele produto ou serviço disruptivo? Ao invés de durar poucos meses ou anos, provavelmente terá função única e valorizada por mais de uma década.

5- Oportunidades

Em relação às oportunidades dessas inovações, acontecem de maneiras distintas. Enquanto na incremental elas podem ser mais previsíveis e antecipadas (como na indústria de smartphones), na inovação radical são mais esporádicas. Costumam responder a descontinuidades e trazer novas tecnologias. A substituição de músicas por CD, CD por MP3, MP3 por aplicativos de streaming, podem ser consideradas inovações radicais que responderam a descontinuidades do mercado.

6- Participação

A participação efetiva de profissionais e equipes é diferente entre as duas inovações. Na inovação incremental, as atividades são distribuídas em grupos e áreas definidos, sendo que cada um fica responsável por algo em sua especialidade. Enquanto isso, a inovação radical faz com que todos os participantes interajam nos estágios do projeto, mesmo que seja um grupo informal, que vai crescendo até chegar à uma inovação de fato diferenciada. Apenas uma mudança radical faz com que o projeto comece já pela área de inovação.

7- Resultados

Toda inovação é capaz de trazer resultados positivos às empresas. Mas, no caso da inovação incremental, as mudanças serão sempre de melhorias pontuais. Deixariam de alcançar bons resultados caso fossem passadas para trás em mercados onde há grande concorrência e onde fica mais difícil notar as melhorias. Quanto à inovação radical, quando implementada em um mercado como novidade, pode trazer resultados excepcionais ao se tornarem pioneiros e exclusivos.

A indústria 4.0

Hoje nossa sociedade está passando por uma nova fase de inovação, é a chamada quarta revolução industrial, ou indústria 4.0, onde tanto a inovação radical como a incremental devem ser aplicadas.

Saiba mais sobre ela neste infográfico:

Inovação radical e inovação incremental

Veja também: Inovação na indústria: quais são as tendências para 2019?

Inovação radical e inovação incremental: qual utilizar?

Escolher entre inovação radical e inovação incremental dependerá da cultura da empresa e seus principais objetivos. Aliás, dependendo da posição no mercado e forma como atua, o que pode ser radical para uma pode ser apenas incremental para outra.

Atualmente, é comum que empresas optem pela inovação incremental, uma vez que se adaptam melhor aos recursos e estratégias disponíveis. Pense bem: muito mais fácil introduzir melhorias em produtos para continuar competitivo, ao invés de tentar criar um mercado totalmente novo, não é mesmo?

Apesar disso, para empresas que estão começando agora a buscar sua participação no mercado, optar pela inovação radical pode ser uma boa estratégia. Isso porque abre oportunidades únicas e que mercados mais maduros e reconhecidos não têm.

Qual seu objetivo ao inovar?

A dica é analisar bem os seus objetivos. Quer se tornar melhor concorrente, aumentar seus lucros e participação no mercado? Experimente começar pela inovação incremental.

Por outro lado, ciente de que um novo concorrente pode estar perto de surgir uma inovação radical não prevista, e que pode mudar completamente a maneira como se oferece um mesmo produto, que pode deixar sua empresa mais para trás no processo de inovação.

Agora, quer mergulhar fundo em mercados novos e ainda não descobertos? As inovações radicais podem ser mais o seu perfil. A ideia, aqui, é desenvolver uma tecnologia nova e levá-la ao mercado no momento certo, para as pessoas certas. Sabendo, é claro, de possíveis riscos e do retorno mais demorado.

Inovação radical e inovação incremental: o importante é que sua empresa continue ‘respirando’ inovações. Pense em novas soluções! Continue competitiva! E, sempre que possível, diferencie-se!

Acha que já sabe tudo sobre inovação? Que tal aprender um pouco mais, com esta aula de um professor da USP?

Saiba mais: O que é cultura de inovação e 6 dicas precisas para implementá-la em sua empresa

A Setting é uma empresa de consultoria empresarial que valoriza a ética, as pessoas, a excelência e a satisfação dos clientes. Para alcançar esses resultados é importante inovar.

Saiba mais sobre o trabalho de uma consultoria baixando nosso e-book gratuito: O que esperar de uma consultoria em gestão e como escolher o parceiro certo?

Comentários no Facebook