Riscos e Compliance

Passo a passo: as 7 etapas para uma eficiente gestão de riscos em projetos

By 17 de março de 2020 No Comments
gestão de riscos em projetos

Compartilhe isso!

Todo projeto envolve riscos. Afinal, ele pode ou não dar certo, mas esse é apenas um dos muitos riscos envolvidos em um projeto.

Por exemplo: um projeto na área de Tecnologia da Informação envolve dados sigilosos da empresas e de clientes, que podem ser pedidos.danificados ou divulgados por engano. Por isso, a gestão de riscos em projetos de TI costuma ser ainda mais

Mas como você gerencia os riscos dos seus projetos? 

Os riscos são eventos que podem ou não acontecer, podendo gerar impactos positivos ou negativos.

A gestão de riscos em projetos se dá de maneira sistemática e envolve etapas que vão desde a identificação dos riscos até o monitoramento contínuo dos mesmos.

Neste artigo, você vai entender o que é gestão de riscos e a importância dessa prática para a área de TI.

Continue a leitura e confira também um passo a passo de como implementar esse tipo de gestão nos projetos da sua empresa.

Leia também: Análise de cenários e identificação de riscos: 7 dicas que você precisa conhecer para ser mais assertivo nas decisões

O que é gestão de riscos em projetos?

Os riscos são eventos com probabilidade de se concretizarem. Quando isso acontece, impactos positivos ou negativos podem ser gerados.

No primeiro caso, estamos falando de oportunidades. Já no segundo caso, nos referimos às ameaças.

Assim como os impactos, as possíveis causas também podem ser variadas.

Tendo isso em vista, a gestão de riscos em projetos busca mapear todos os riscos possíveis que circulam determinado projeto e a probabilidade de ocorrência.

A intenção é criar um plano de ações capazes de contribuir significativamente para o sucesso do projeto.

Além disso, a gestão de riscos atua na tentativa de minimizar os impactos negativos e potencializar os positivos, deixando os envolvidos no projeto mais bem preparados para lidar com adversidades no meio do caminho.

A importância da gestão de riscos em projetos em TI

Cada vez mais as organizações estão aderindo a soluções tecnológicas e a transformação digital, incorporando a Tecnologia da Informação em seus processos.

É frequente a demanda por práticas capazes de garantir o pleno funcionamento das operações de uma empresa.

Nesse sentido, a gestão de riscos em projetos em TI se faz extremamente importante. Com ela, é possível mapear ameaças em potencial, capazes de comprometer a segurança de dados e a operacionalidade das ferramentas tecnológicas, trazendo prejuízos para a empresa.

Com esse mapeamento, é possível pensar em ações que possam reduzir a probabilidade desses riscos de impacto negativo.

A importância da gestão de riscos em projetos em TI se faz crescente à medida em que cresce também a conectividade entre mercados, empresas e clientes.

Por isso, é preciso adotar ações como:

  • Evitar ataques virtuais e roubos de dados;
  • Fazer o backup e a restauração de dados sensíveis;
  • Mitigar a ocorrência de sinistros;
  • Avaliar os riscos por meio de indicadores;
  • Garantir o funcionamento dos sistemas;
  • Adaptar a infraestrutura de TI ao planejamento estratégico da empresa.

Vale lembrar que a gestão de riscos em projetos em TI vai depender das suas necessidades e dos recursos disponíveis.

Saiba mais: 5 etapas do gerenciamento de risco: evite ameaças para sua empresa

Confira este infográfico divulgado pela Revista Exame mais dados sobre a gestão de riscos no Brasil:

estao-riscos-projetosPasso a passo: como fazer gestão de riscos em projetos

Agora que você já sabe o que é gestão de riscos em projetos e sua importância para a área de TI, confira um passo a passo de como implementar esse tipo de gestão na sua empresa.

Os passos citados a seguir tem como base a versão mais recente do Guia PMBOK.

Passo 1 – Planeje a gestão de riscos

Defina os métodos e as ferramentas que você pretende adotar para gerenciar os riscos de determinado projeto.

Faça reuniões com os principais envolvidos no projeto e profissionais especializados, os terão um amplo conhecimento sobre a temática central do projeto e poderão contribuir na tomada de decisões.

Nesta etapa, recomenda-se também fazer uma consulta aos registros de outros projetos semelhantes para verificar quais ações e diretrizes já foram implementadas de maneira bem-sucedida.

Documente tudo em um plano de gestão e faça revisões no decorrer do projeto.

Passo 2 – Identifique os riscos

Nesta etapa você deverá mapear os riscos que rondam seu projeto. Descreva as características desses riscos e busque levantar informações relevantes sobre eles (causas, atividades afetadas, probabilidade de acontecer etc.).

Ao fazer essa identificação, ficará mais fácil responder adequadamente a esses riscos, sejam eles ameaças ou oportunidades.

Busque ser o mais claro possível na descrição e envolva todos os colaboradores que fazem parte do projeto.

Passo 3 – Analise os riscos qualitativamente

A terceira etapa consiste em fazer uma análise qualitativa dos riscos identificados. Considere a probabilidade de ocorrência e o impacto que cada risco pode ocasionar.

Outros parâmetros também podem ser incorporado à análise, o que vai depender da natureza do projeto em questão.

Não deixe de atribuir um responsável para cada risco, assim há como acionar uma pessoa que já se preparou para enfrentar um risco edpecífico.

Passo 4 – Faça uma análise quantitativa dos riscos

Aqui, o objetivo é avaliar em números os impactos que os riscos identificados podem causar ao seu projeto.

Você pode, por exemplo, quantificar o tempo de atraso que o seu projeto pode sofrer caso determinado risco se concretize; ou então o prejuízo financeiro, o custo a mais com mão de obra, etc.

Este post pode ajudar você: Exemplo de Matriz de Risco: o que é e como usar nos negócios

Passo 5 – Planeje as respostas para os riscos

Neste quinto passo, será necessário determinar como reagir caso determinado risco ocorra.

Desenvolva alternativas de enfrentamento que estejam de acordo com o grau de relevância de cada risco e com o orçamento disponível.

Quando você planeja as respostas, é possível minimizar as ameaças e a exposição geral aos riscos

Passo 6 – Implemente as respostas aos riscos

Esta é a etapa em que coloca-se em prática o plano de ações para enfrentamento dos riscos. Um software de gestão de projetos pode ser muito útil na implementação das respostas.

Passo 7 – Monitore os riscos

Nesta sétima e última etapa, é necessário acompanhar o grau de exposição do seu projeto aos riscos. A intenção é manter os riscos sob controle e identificar se as respostas implementadas estão surtindo o efeito desejado.

O monitoramento é importante também para verificar o surgimento de novos riscos ou as possíveis mudanças na probabilidade e no impacto das ocorrências.

Além disso, esta etapa ajuda a garantir que os processos estão sendo executados de acordo com o planejamento feito com base nos riscos.

Quer saber mais sobre gestão de riscos e conhecer o conceito de compliance? Então, confira nosso vídeo:

Ficou claro o que é gestão de riscos em projetos e quais etapas seguir para implementá-la?

Lembre-se de que a maneira com que uma empresa lida com os riscos de seus projetos é determinante para o seu sucesso ou fracasso. Portanto, não negligencie esse importante aspecto e faça uma gestão de riscos eficiente.

Leia mais: O que é consultoria em gestão de riscos

A Setting é uma consultoria de gestão empresarial com foco em resultados e geração de valor para o seu negócio, por isso, usa uma abordagem sistêmica, baseada em fatos.

Dessa forma, dentre diversas outras especialidades, pode ajudar sua organização a gerenciar risco em projetos e do negócio como um todo.

Conflitos são um risco em projetos, por isso, baixe nosso e-book e veja como gerenciá-los: 8 dicas de como gerenciar conflitos

Jorge Secaf Neto

Author Jorge Secaf Neto

Sócio fundador da Setting e Conselheiro Certificado IBGC, atua como Conselheiro, Consultor Sênior ou assume responsabilidade executiva (interim manager) em organizações que buscam transformação. Graduado em engenharia civil (Mackenzie), pós-graduado em engenharia de produção (Politécnica), possui formação executiva por meio de cursos de longa duração em instituições de renome no Brasil e no exterior (Fundação Dom Cabral; Kellogg; INSEAD; Harvard). Atuou como examinador do Prêmio Nacional da Qualidade por 10 ciclos e tem seus principais interesses acadêmicos e profissionais vinculados à educação executiva e à busca pela excelência em governança e gestão organizacional.

More posts by Jorge Secaf Neto

Comentários no Facebook