Processos

Diagrama de espaguete: o que é, principais benefícios e um passo a passo de como usar na sua empresa

By 1 de dezembro de 2020 No Comments
Diagrama de espaguete

Compartilhe isso!

Ser capaz de eliminar desperdícios e tornar seus processos cada vez mais eficientes é essencial para que uma empresa consiga crescer e se manter competitiva no mercado.

Para isso, existem diversas ferramentas que podem ajudar. Uma delas é o diagrama de espaguete. Você já ouviu falar?

Basicamente, esse diagrama mostra, por meio de linhas, todas as movimentações que um funcionário, um produto ou qualquer outro ativo faz na execução de um processo.

A intenção é possibilitar um entendimento mais claro sobre os fluxos dentro de um layout administrativo ou de produção e facilitar a identificação de oportunidades de melhoria.

Quer saber mais sobre essa ferramenta? Então continue a leitura e entenda o que é, para que serve e quais os benefícios de implementar o diagrama de espaguete.

Além disso, você também vai conferir nas próximas linhas um passo a passo de como fazer diagrama de espaguete sem complicações:

  1. Escolha os processos que você quer analisar;
  2. Desenhe o layout do processo a ser analisado;
  3. Trace as linhas de movimentação;
  4. Analise o diagrama de espaguete;
  5. Implemente as mudanças necessárias.

Leia também: Conheça 3 ferramentas de mapeamento de processos e as vantagens de cada uma

O que é e para que serve o diagrama de espaguete?

O diagrama de espaguete é uma das principais ferramentas da metodologia Lean Manufacturing.

Conforme já adiantamos na nossa introdução, esse diagrama busca garantir a qualidade da execução dos processos a partir do mapeamento das movimentações de cada colaborador ou ativo.

Para isso, desenha-se o layout do processo atual e traçam-se linhas para identificar os deslocamentos durante a execução de tal processo.

Esse mapa é desenhado geralmente em formato A3. Quando todas as linhas de movimentações são introduzidas no layout do processo analisado, forma-se um emaranhado que se assemelha a um prato de espaguete. Daí vem o nome dessa ferramenta.

O principal objetivo do diagrama de espaguete é facilitar a compreensão sobre o fluxo de funcionários, materiais e produtos dentro do layout atual. Assim, busca-se identificar oportunidades de tornar as movimentações mais otimizadas de modo a reduzir o tempo gasto e tornar a operação mais eficiente.

Veja mais: O que é DMAIC: o método ideal para solucionar problemas e promover a melhoria contínua

Quais os benefícios de usar o diagrama de espaguete?

A implementação do diagrama de espaguete pode trazer uma série de benefícios para a sua empresa.

Quanto maior o número de linhas, mais ineficiente o processo tende a ser. Tendo isso em vista, o diagrama de espaguete possibilita visualizar melhor as movimentações e identificar oportunidades de reduzir o número de linhas para mitigar o desperdício de tempo e otimizar os esforços dos colaboradores.

Essa ferramenta permite, por exemplo, encurtar a distância que um colaborador precisa percorrer dentro de determinado layout para utilizar um instrumento de trabalho ou entregar certas demandas.

Dessa forma, há um melhor aproveitamento das horas de trabalho dos colaboradores, o que impacta diretamente nos resultados de produtividade.

Veja também: Exemplos de mapeamento de processos organizacionais: confira 4 fluxogramas prontos

Diagrama de espaguete: como fazer em 5 passos

Agora que você já sabe o que é, para que serve e qual a importância dessa ferramenta de gestão, é hora de conferir um passo a passo descomplicado de como fazer diagrama de espaguete.

Passo 1 – Escolha os processos que você quer analisar

O primeiro passo para confecção do diagrama espaguete consiste na escolha dos processos que serão mapeados e analisados.

Busque priorizar os processos mais críticos e com maior relevância para a geração de valor.

Passo 2 – Desenhe o layout do processo a ser analisado

Neste segundo passo, você deverá desenhar o layout do processo que você quer mapear e analisar.

Não há necessidade de ser um desenho rebuscado.

Passo 3 – Trace as linhas de movimentação

Após desenhar o layout do processo, você deverá traçar as linhas que vão representar as movimentações dos colaboradores e dos demais ativos envolvidos no processo.

Se necessário, utilize cores diferentes. E não deixe de sinalizar o tempo e a distância percorrida.

Veja este exemplo, bem simples, de um diagrama de espaguete:

Diagrama de espaguete

Passo 4 – Analise o diagrama de espaguete

Após desenhar o emaranhado de linhas do seu diagrama de espaguete, analise junto com a equipe envolvida todos os movimentos detectados e procure identificar maneiras de reduzir as linhas desenhadas.

Passo 5 – Implemente as mudanças necessárias

Por fim, você deverá implementar as alterações necessárias para reduzir os trajetos e otimizar o tempo gasto nessas movimentações.

Confira em nosso blog: Matriz de gestão da mudança: o que é e como construir uma em 6 passos

Neste vídeo do Renato Moura, você vai ver mais dicas de como fazer o diagrama espaguete:

Bom, ficou claro o que é e como funciona o diagrama de espaguete? Então que tal fazer uso dessa ferramenta na sua empresa?

Leia mais: Exemplos de DMAIC: como solucionar problemas e promover a melhoria contínua na organização

A Setting é uma empresa de consultoria com foco no cliente e na entrega de valor e resultados. Ela usa uma metodologia sistêmica, baseando sua tomada de decisão em fatos.

Dentre suas diversas expertises está a análise, desenho e otimização de processos.

Quer entender melhor como uma consultoria como a Setting pode ajudar seu negócio a analisar e otimizar processos em busca de melhores resultados? Então, baixe este e-book gratuito: O que esperar de uma consultoria em gestão e como escolher o parceiro certo

Vera Maria Stuart Secaf

Author Vera Maria Stuart Secaf

Sócia e Consultora sênior, atua há mais de 20 anos na gestão em organizações de diversos portes e setores. Ministrou aulas nos cursos de pós graduação da FUPAM, FEA/USP, FGV in Company e ANBIMA. Vera é administradora de empresas com MBA na Fundação Dom Cabral e Kellogg e Master em Governança na Nova Economia pelo GoNew Economy.

More posts by Vera Maria Stuart Secaf

Comentários no Facebook