Gestão Empresarial

Fontes de capital de giro: 4 opções para conseguir crédito e financiar as operações da sua empresa

Fontes de capital de giro

Compartilhe isso!

Como anda a administração de capital de giro na sua empresa?

O sucesso de uma empresa está diretamente relacionado à qualidade de sua gestão financeira.

Nesse sentido, o capital de giro (CG) é um elemento fundamental para garantir o bom desempenho de qualquer modelo de negócio. Basicamente, é ele o responsável por manter as operações funcionando; sem um sólido CG, a empresa está fadada ao fracasso.

Pensando nisso, elaboramos este conteúdo para explicar a importância do capital de giro para manter as contas da empresa em equilíbrio.

Além disso, separamos aqui algumas dicas de controle financeiro empresarial, criando uma lista com estas 4 principais opções de fontes de capital de giro:

  1. Bancos privados
  2. Bancos públicos
  3. Fintechs de capital de giro
  4. Capital próprio de sócios

Por isso, continue a leitura e descubra qual combina melhor com o seu negócio.

Leia também: Tipos de recursos financeiros: 6 opções viáveis para expansão dos negócios

A importância do capital de giro

O que é capital de giro, afinal?

Em linhas gerais, o capital de giro é a diferença entre os ativos e os passivos circulantes de uma empresa. Trata-se de um tipo de reserva utilizada para financiar as operações do modelo de negócio enquanto o dinheiro das vendas não entra no caixa.

Tendo isso em vista, a importância do capital de giro reside no fato de que, sem esse dinheiro, a empresa terá muito mais dificuldade para honrar seus compromissos financeiros e manter o negócio girando.

Nos períodos em que as entradas estão muito baixas, é o capital de giro que vai garantir que as despesas necessárias para manter a empresa funcionando sejam pagas, como aluguel do espaço, salário dos funcionários, contas de água, luz e internet, fornecedores, etc.

Ou seja, o capital de giro é o fator que torna viável o modelo de negócio. Por isso, ele é fundamental para garantir a saúde e sustentabilidade financeira de uma empresa.

A quantidade necessária de CG vai depender de diferentes aspectos, como:

  • a atividade desenvolvida pela empresa;
  • o tamanho;
  • o porte;
  • a quantidade de funcionários;
  • o mercado em que ela atua e vários outros.

Ter uma sólida administração de capital de giro, com uma estrutura e quantidade bem definida, é determinante para que a sua empresa possa se manter e se desenvolver de maneira mais consistente.

Você sabe calcular o capital de guro de sua empresa? Então, dê uma olhada neste vídeo criado pelo SEBRAE:

Veja mais em nosso blog: Como definir capital de giro necessário para garantir a sustentabilidade financeira da sua empresa?

4 opções de fontes de capital de giro para a sua empresa

Agora que você já sabe mais sobre a importância da administração de capital de giro, confira a seguir 4 alternativas de financiamento do capital de giro para a sua empresa.

1. Bancos privados

Os bancos privados tradicionais são umas das principais fontes de capital de giro às quais muitos empresários costumam recorrer.

Essas instituições financeiras possuem diferentes programas de crédito e modalidades de empréstimo para quem precisa compor um capital de giro mais robusto.

Se você já possui algum relacionamento com um banco privado, como a conta de pessoa jurídica em nome da sua empresa, vale a pena conferir quais condições ele tem a oferecer.

Preste bastante atenção nas taxas de juros impostas pelo banco escolhido e nas garantias solicitadas.

2. Bancos públicos

Os bancos públicos (estaduais e federais) também são importantes fontes de capital de giro.

Essas instituições, como Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES), oferecem condições bastante vantajosas, como taxas de juros reduzidas.

No entanto, você pode encontrar certa dificuldade caso precise de um valor de empréstimo muito elevado.

A burocracia, assim como quase tudo o que envolve o setor público no Brasil, também pode acabar sendo um empecilho na sua busca por crédito para compor o CG da sua empresa.

3. Fintechs de capital de giro

As fintechs são empresas que prestam serviços financeiros pela internet. Recorrer às fintechs para conseguir capital de giro pode ser uma boa alternativa para o seu modelo de negócio.

Por contarem com uma estrutura enxuta, as fintechs cobram taxas bem reduzidas e possuem processos de concessão de crédito com pouquíssima burocracia se comparadas aos bancos públicos e privados tradicionais.

Alguns exemplos de Fintechs como fontes de capital giro são a Gyra+, a Biva e a  BizCapital.

Leia mais: O que são Fintechs? Tudo sobre as startups financeiras e como elas estão mudando o mercado financeiro

4. Capital próprio de sócios

Por fim, outra alternativa para conseguir capital de giro é convidando alguém para ser sócio na sua empresa.

Para fazer parte da sociedade, a pessoa deve entrar com uma quantia específica. Em troca, ela ganha participação nos lucros.

Convide alguém da sua confiança e com quem você já tenha um bom relacionamento.

Essas foram nossas 4 principais opções de fontes de capital de giro. O que você achou?

Pesquise bem sobre essas alternativas e escolha a que atenda melhor suas necessidades.

Saiba mais: Ciclo operacional e financeiro: guia definitivo com conceito, importância, cálculo e exemplos

A Setting é uma empresa de consultoria que gera valor e entrega resultados para seus clientes, porque usa uma metodologia sistêmica, tomando decisões baseadas em fatos.

Assim, faz o diagnóstico, redesenha processos, define KPIs e metas, implementa processo e faz seu acompanhamento, com o objetivo de gerar uma cultura de melhoria contínua em seu negócio.

Quer entender melhor com a Setting pode ajudar sua empresa? Então, baixe agora mesmo nosso e-book gratuito: O que esperar de uma consultoria em gestão e como escolher o parceiro certo

Vera Maria Stuart Secaf

Author Vera Maria Stuart Secaf

Sócia e Consultora sênior, atua há mais de 20 anos na gestão em organizações de diversos portes e setores. Ministrou aulas nos cursos de pós graduação da FUPAM, FEA/USP, FGV in Company e ANBIMA. Vera é administradora de empresas com MBA na Fundação Dom Cabral e Kellogg e Master em Governança na Nova Economia pelo GoNew Economy.

More posts by Vera Maria Stuart Secaf

Comentários no Facebook