Gestão Empresarial

Como projetar um fluxo de caixa empresarial em 5 passos descomplicados

Como projetar um fluxo de caixa empresarial

Compartilhe isso!

Considerado como uma das ferramentas de gestão mais importantes, o fluxo de caixa empresarial é uma ferramenta de gestão financeira indispensável para garantir a sustentabilidade econômica dos negócios.

Basicamente, ele se refere às entradas e às saídas de dinheiro da empresa. Tendo isso em vista, saber como fazer as projeções dos valores que entram e saem do caixa pode ajudar na definição de melhores estratégias.

Para te ajudar nessa tarefa, elaboramos neste conteúdo este passo a passo de como projetar um fluxo de caixa:

  1. Verifique o seu saldo disponível em caixa
  2. Levante todas as despesas fixas e variáveis atuais
  3. Descreva todas as suas fontes de receita
  4. Saiba quais são seus Prazos Médios de Pagamento e de Recebimento
  5. Faça uma estimativa das entradas e saídas futuras

Continue a leitura e confira também algumas dicas de como fazer a análise correta do seu cash flow.

Leia também: Ciclo operacional e financeiro: guia definitivo com conceito, importância, cálculo e exemplos

Passo a passo: como projetar um fluxo de caixa

Conforme mencionamos, o fluxo de caixa é uma ferramenta que permite acompanhar todas as movimentações financeiras de uma empresa.

A projeção do fluxo de caixa, por sua vez, nada mais é do que uma estimativa da quantidade de dinheiro que vai entrar e sair da empresa durante determinado período.

Essa prática orienta as tomadas de decisão do gestor financeiro, o qual consegue distribuir melhor os recursos e definir estratégias com maior assertiva.

Confira nas próximas linhas o passo a passo de como projetar um fluxo de caixa de uma empresa.

Passo 1 – Verifique o seu saldo disponível em caixa

A primeira etapa para projetar um fluxo de caixa é saber quanto de dinheiro a empresa tem disponível agora.

Passo 2 – Levante todas as despesas fixas e variáveis atuais

Em seguida, é preciso listar todas as despesas fixas e variáveis da empresa atualmente. Ou seja, especifique a origem e o valor de cada despesa.

Passo 3 – Descreva todas as suas fontes de receita

Para projetar o fluxo de caixa, é necessário também descrever todas as fontes de receita da sua empresa. Ou seja, esta etapa se refere a todas as entradas do caixa.

Passo 4 – Saiba quais são seus Prazos Médios de Pagamento e de Recebimento

Nesta etapa de como projetar um fluxo de caixa da empresa, você deverá especificar os Prazos Médios de Pagamento e de Recebimento. Enquanto o primeiro se refere ao tempo para pagar os fornecedores, o segundo compreende ao prazo para receber efetivamente o valor de uma venda específica.

Passo 5 – Faça uma estimativa das entradas e saídas futuras

Com base nas informações levantadas nas etapas anteriores, é possível fazer uma estimativa realista de todas as entradas e saídas futuras do seu caixa.

A partir da avaliação de prazos, é possível dimensionar com precisão tanto suas entradas quanto suas saídas futuras.

Saiba mais: 7 conceitos básicos de finanças corporativas que todo empreendedor precisa saber

Confira este vídeo do Sebrae que mostra como construir um fluxo de caixa:

4 dicas de como analisar um fluxo de caixa

Agora que você já sabe as etapas para projeção de cash flow, veja a seguir 4 dicas essenciais de como analisar um fluxo de caixa.

1. Utilize dados concretos

A primeira de como analisar um fluxo de caixa corretamente é se basear em dados concretos. Para isso, fundamente-se em resultados de indicadores-chave de desempenho, relatórios anteriores e demonstrativos de resultados.

Com base nesses dados históricos, será possível identificar tendências e fazer análises mais realistas e assertivas.

2. Evite misturar as contas pessoais com a da empresa

Um erro comum e que pode prejudicar a análise do fluxo de caixa é misturar as contas pessoais com a conta da empresa.

É de extrema importância saber fazer essa separação para evitar que certas despesas e receitas sejam contabilizadas de maneira equivocada.

3. Mantenha os dados atualizados

Os dados referentes às entradas e às saídas do caixa da empresa devem ser atualizado constantemente. Caso contrário, podem ocorrer defasagens capazes de comprometer a correta análise do cash flow.

A atualização constante ajuda na identificação de riscos e oportunidades e nas tomadas de decisão.

4. Compare a projeção do fluxo de caixa com os resultados alcançados

Faz parte da análise do fluxo de caixa comparar os resultados alcançados com aqueles previstos na projeção. Ao fazer isso, é possível efetuar os ajustes necessários para garantir que os recebimentos e as despesas mantenham-se dentro do esperado.

Este post também pode interessar a você: Passo a passo: como fazer projeção financeira na sua empresa?

Ficou claro como projetar um fluxo de caixa? Coloque em prática o nosso passo a passo e as nossas dicas e tenha mais controle sobre o cash flow da sua empresa.

Veja também: Gestão de custos e formação de preços: o que é, importância, ferramentas e exemplos

A Setting é uma empresa de consultoria com foco na excelência e na troca de conhecimento com transparência, assim, entrega valor e resultados para sua empresa.

Para isso, emprega uma metodologia sistêmica, baseada em fatos.

Confira algumas das nossas especialidades:

  • Formulação e implementação das estratégias;
  • Análise do desempenho;
  • Estruturação do modelo de governança;
  • Gestão de riscos;
  • Compliance;
  • Mapeamento e modelagem dos processos;
  • Projeto e implantação dos novos processos;
  • Gerenciamento, padronização e controle dos processos;
  • Análise da estrutura organizacional;
  • Estruturação do modelo de gestão.

Saiba mais sobre como funciona uma consultoria empresarial baixando nosso e-book gratuito: O que esperar de uma consultoria em gestão e como escolher o parceiro certo

Confira também estes cases de sucesso:

Vera Maria Stuart Secaf

Author Vera Maria Stuart Secaf

Sócia e Consultora sênior, atua há mais de 20 anos na gestão em organizações de diversos portes e setores. Ministrou aulas nos cursos de pós graduação da FUPAM, FEA/USP, FGV in Company e ANBIMA. Vera é administradora de empresas com MBA na Fundação Dom Cabral e Kellogg e Master em Governança na Nova Economia pelo GoNew Economy.

More posts by Vera Maria Stuart Secaf

Comentários no Facebook