Gestão Empresarial

Como definir capital de giro necessário para garantir a sustentabilidade financeira da sua empresa?

Como definir capital de giro

Compartilhe isso!

Uma boa administração de capital de giro de uma empresa pode ser determinante para o sucesso ou fracasso da mesma. Afinal, ele se refere a um aspecto-chave para a viabilidade de qualquer modelo de negócio: a gestão financeira.

Neste artigo, vamos explicar o que é, a importância e como definir capital de giro da empresa.

Continue a leitura para conferir também nas próximas linhas estas 3 dicas essenciais que vão te ajudar a calcular o CG necessário para o seu negócio.

Leia também: Ciclo operacional e financeiro: guia definitivo com conceito, importância, cálculo e exemplos

O que é capital de giro?

Também conhecido como ativo circulante, o capital de giro pode ser definido como o dinheiro necessário para manter a sua empresa funcionando. Ele é como se fosse uma reserva para financiar as operações do negócio. Trata-se da diferença entre todos os ativos e todos os passivos da empresa. É o que sobra após subtrair dos recursos disponíveis em caixa todas as despesas e vencimentos.

O capital de giro é o mínimo que a empresa precisa ter em caixa para conseguir funcionar regularmente, sem precisar interromper suas operações.

O cálculo de capital de giro é bastante simples. Basta aplicar a seguinte fórmula:

  • CG = Ativo Circulante (AC) – Passivo Circulante (PC)

O AC se refere a todas as contas a receber, o estoque, o dinheiro disponível em caixa e na conta corrente, aplicações financeiras, etc. Já o PC são parcelas de financiamento, impostos, contratos com fornecedores, salários de funcionários, contas de água e luz, aluguel do imóvel etc.

A diferença entre AC e PC é o capital de giro, que garante liquidez a todas as operações cotidianas e o pleno funcionamento da empresa.

Veja mais: Como fazer um planejamento financeiro de uma empresa de forma ágil e prática

Por que o capital de giro é importante?

Conforme mencionamos, o capital de giro é a garantia que a empresa tem de que será possível manter suas operações funcionando regularmente.

A empresa que não possui um sólido capital de giro precisa ter certeza de que seus recebimentos serão sempre superiores a suas contas a pagar. E, como você já deve saber, é muito difícil ter essa garantia.

Portanto, o capital de giro dá uma segurança maior para a empresa. Ou seja, mesmo nos meses em que as vendas forem abaixo do esperado, a empresa terá um dinheiro em reserva (o capital de giro) para honrar seus vencimentos e manter a continuidade das operações.

Além disso, a correta administração de capital de giro é importante para evitar recorrer a empréstimos e, assim, garantir a sustentabilidade financeira do modelo de negócio.

Veja também: Ferramentas de gestão financeira: conheça as essenciais para o seu negócio

3 dicas de como definir capital de giro + exemplo

Na hora de abrir uma empresa, é preciso saber como definir capital de giro necessário, dada a importância dele para a sustentabilidade de qualquer negócio.

Ou seja, além do dinheiro necessário para custear toda a infraestrutura e abastecer o estoque, é necessário também ter uma reserva para manter as atividades da empresa até ela começar a dar lucro (e depois também).

Mas de quanto deve ser esse valor? Como definir o capital de giro necessário?

Geralmente, especialistas em administração de capital de giro recomendam separar de 50% a 60% de todo o valor investido para o capital de giro.

Confira abaixo algumas dicas!

1. Faça um levantamento de todas as despesas fixas e variáveis

Para definir o capital de giro da sua empresa, é necessário saber quanto de dinheiro você vai precisar ter à disposição todo mês para bancar as despesas fixas e variáveis.

2. Projete seu faturamento para curto, médio e longo prazo

Além de saber de quanto, em média, serão as saídas do seu caixa, é necessário também projetar seus recebimentos a curto, médio e longo prazo.

3. Calcule o seu ciclo financeiro

O ciclo financeiro corresponde ao tempo entre o pagamento de fornecedores e o recebimento das vendas.

Quanto menor for o ciclo financeiro, menos o capital de giro precisará ser comprometido para pagar os fornecedores.

Leia mais: Gestão de finanças empresariais: como maximizar os resultados econômicos do seu negócio

Estas dicas de controle de custos também podem ajudar você:

Como definir capital de giro

Exemplo: cálculo de capital de giro

Para definir a necessidade de capital de giro de uma empresa, aplica-se a seguinte fórmula:

  • NCG = CP – (CR + VE)

Onde:

  • NCG: necessidade de capital de giro
  • CP: contas a pagar
  • CR: contas a receber
  • VE: valor em estoque

Suponhamos que os levantamentos e projeções feitos na sua empresa tenham dado os seguintes resultados:

  • CP: R$ 20.000 em despesas fixas e variáveis;
  • CR: R$ 15.000 em recebimentos projetados para o próximo semestre;
  • VE: R$ 3.000 em mercadorias estocadas.

Logo, a sua necessidade de capital de capital de giro será:

  • NCG = 20.000 – (15.000 + 3.000)
  • NCG = 20.000 – 18.000
  • NCG = R$ 2.000

Ou seja, de acordo com o cálculo de capital de giro, você precisa ter uma reserva de R$ 2.000 para financiar a continuidade das operações da sua empresa e cobrir os custos até que os valores a receber entrem no caixa.

Bom, ficou claro como definir capital de giro? Faça isso na sua empresa e garanta a sustentabilidade financeira do seu modelo de negócio.

Este post também pode interessar a você: Saúde financeira da empresa: 7 indicadores para ter atenção

A Setting é uma empresa de consultoria com foco no cliente, na excelência e na valorização das pessoas, assim, agrega valor e traz resultados para seu negócio.

Por isso, usa uma visão sistêmica, baseada em fatos. Dessa forma, analisa, entende seu negócio e traça planos de ação operacionais e financeiros para que ele atinja os melhores resultados.

Nesse sentido, um planejamento estratégico pode ser de grande ajuda. Veja mais sobre essa ferramenta de gestão baixando nosso e-book gratuito: Planejamento Estratégico – O guia para fazer o Planejamento Estratégico de sua empresa

Vera Maria Stuart Secaf

Author Vera Maria Stuart Secaf

Sócia e Consultora sênior, atua há mais de 20 anos na gestão em organizações de diversos portes e setores. Ministrou aulas nos cursos de pós graduação da FUPAM, FEA/USP, FGV in Company e ANBIMA. Vera é administradora de empresas com MBA na Fundação Dom Cabral e Kellogg e Master em Governança na Nova Economia pelo GoNew Economy.

More posts by Vera Maria Stuart Secaf

Comentários no Facebook