Jorge Secaf Neto

Sócio fundador da Setting e Conselheiro Certificado IBGC, atua como Conselheiro, Consultor Sênior ou assume responsabilidade executiva (interim manager) em organizações que buscam transformação. Graduado em engenharia civil (Mackenzie), pós-graduado em engenharia de produção (Politécnica), possui formação executiva por meio de cursos de longa duração em instituições de renome no Brasil e no exterior (Fundação Dom Cabral; Kellogg; INSEAD; Harvard). Atuou como examinador do Prêmio Nacional da Qualidade por 10 ciclos e tem seus principais interesses acadêmicos e profissionais vinculados à educação executiva e à busca pela excelência em governança e gestão organizacional.

P&R: Governança e Estratégia

By | Governança | No Comments
Governança e Estratégia

 

01. Governança: Os sócios da empresa fazem parte da força de trabalho, e apesar de possuírem o mesmo número de cotas da sociedade (limitada), cada um deles dedica um determinado número de horas em atividades operacionais. É possível separar a remuneração do capital e do trabalho, de forma que cada um receba a parte do trabalho de acordo com o número de horas trabalhadas?

Sim, é possível separar a remuneração do capital e do trabalho. Em uma sociedade limitada, os sócios recebem uma remuneração chamada Pró-Labore, que tem como fato gerador a prestação de serviços. Além do pró-labore, existe a Distribuição de Lucro, que é a remuneração do capital distribuída aos sócios, independente de trabalhar ou não na empresa. Read More

Dica: Gestão de Riscos

By | Riscos e Compliance | No Comments

O Risco empresarial pode ser definido como um evento que, caso ocorra, pode causar algum tipo de prejuízo para a empresa.

A Gestão de Riscos, por sua vez, inclui atividades de identificação, que tipos de riscos a empresa está exposta, de avaliação, entendimento da probabilidade de ocorrência e possíveis impactos e de proteção e/ou tratamento. Read More

Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas

By | Governança | No Comments
Governança Corporativa

Não é só para empresas com capital aberto que a governança corporativa é importante. Todas as empresas, independente
do porte e do estágio de desenvolvimento em que se encontram, devem preocupar-se com este tema e verificar quais das práticas de governança devem ser aplicadas em seu tipo de sociedade e de negócio. A relação entre sócios, a formação de um conselho, a comunicação transparente com as partes interessadas (o quê comunicar e para quem), o sistema de remuneração, o planejamento estratégico e o monitoramento de riscos, são, entre outros itens, alguns dos que precisam ser considerados para que a empresa possa crescer com bases sólidas.