Análise competitiva de mercado: 5 métodos que funcionam!

By | Estratégia | No Comments
Análise competitiva de mercado

A análise competitiva de mercado é uma prática que serve para qualquer tipo de empresa: pequena, média, grande, iniciante ou já consolidada.

Por meio dela, é possível conhecer melhor o mercado em que o negócio está inserido, além de compreender o seu potencial competitivo e descobrir como explorá-lo de maneira eficiente.

Esse tipo de análise mercadológica fornece informações valiosas que permitem entender como os concorrentes atuam e se posicionam.

Assim, a empresa pode adotar estratégias mais assertivas e com base em dados concretos.

Mas como fazer uma análise competitiva de mercado?

Confira agora os 5 principais métodos.

Read More

9 livros de Governança Corporativa: aprenda sobre o tema com os melhores autores

By | Governança | No Comments
Livros Governança Corporativa

Se você está buscando livros de Governança Corporativa, é porque esse tema está na pauta de sua empresa ou de sua atividade profissional.

Para auxiliá-lo a conhecer melhor o assunto, selecionamos – além de alguns posts de nosso blog – uma bibliografia com 9 dos melhores livros sobre Governança Corporativa, para que você possa se aprofundar no assunto.

Os livros de Governança Corporativa reúnem diferentes enfoques sobre essa importante área do mundo empresarial que vem se tornando cada vez mais valorizada no Brasil.

Conforme nossa liderança empresarial evolui e busca adotar as melhores práticas de gestão internacionais, a Governança Corporativa se torna um tema obrigatório para qualquer gestor.

Read More

Boas práticas de Governança Corporativa (e a Caixa Preta da prática da governança)

By | Governança | No Comments

Muito se fala hoje em dia sobre as boas práticas de governança corporativa. Não faltam seminários, cursos de capacitação, manuais, artigos em jornais e revistas de negócios e entrevistas com profissionais especializados, afinal a questão da governança entrou no cotidiano das empresas, sejam elas de controle familiar e concentrado ou de propriedade dispersa, como algumas das empresas abertas.

A razão dessa popularidade é porque a governança pretende estabelecer boas práticas de direção, monitoramento e incentivo às organizações, de forma a conciliar os interesses das diversas partes interessadas, algo cada vez mais desafiador.

Na prática a teoria é outra

Entretanto, como afirmou aquele famoso autor desconhecido, “De boas intenções o inferno já está cheio”!

O que ocorre na prática é algo bem diferente, e sobre esse tema Sandra Guerra escreveu o livro, “A Caixa Preta da Governança”, leitura obrigatória para os que se interessam pelas boas práticas de governança corporativa. Fruto de seu trabalho de pesquisa, o livro aborda a governança com foco no comportamento dos conselhos.

Sandra Guerra é quase sinônimo de Governança Corporativa no Brasil. Com mais de 21 anos de vivência nesse campo, participou da introdução do conceito no Brasil ao integrar o grupo de fundadores do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), de cujo conselho foi presidente por quatro anos.

Entrevistamos Sandra Guerra para beber diretamente da fonte e saber o que vivenciou, o que pensa sobre o tema e trazer aos nossos leitores essa valiosa informação de forma concisa. Seguem alguns insights importantes.

O que vamos aprender com A Caixa Preta da Governança

Sem querer ser aquele estraga prazeres que fica entusiasmado com a oportunidade de te contar o final do filme, da leitura do livro, o que fortemente recomendo que faça, ou da audiência da entrevista, você vai perceber que:

  • As boas práticas de governança corporativa são mais do que conformidade, definem a capacidade de dar respostas oportunas ao contexto, que é dinâmico.
  • Muito se fez no Brasil e no Mundo em relação à governança, mas ainda há muito a se fazer.
  • Algumas empresas são mais maduras no tema, mais resilientes do que as outras, mas ainda são a minoria.
  • O Conselho de Administração (CA) é o eixo de governança da empresa, um motor operando continuamente, uma máquina de tomar decisões. Deve ser competente, bem-intencionado e dar total dedicação à criação de valor no longo prazo.
  • A composição do conselho (tamanho, percentual de independentes e diversidade de gênero) influencia fortemente seu desempenho.
  • Mesmo os CA’s bem estruturados, competentes, bem-intencionados e dedicados falham em certas ocasiões! Precisamos entender o porquê (o livro explica).

Há uma série de questões comportamentais importantes

  • A cultura organizacional está na essência da solução, ou do problema!
  • Uma das maiores fontes de dificuldades é a governança do “ser” versus “parecer ser”. Há muitas empresas que seguem a moda e estabelecem um sistema de governança “para inglês ver”, capenga.
  • Comportamentos como os abaixo descritos são uma ilusão, e são parte do problema:
    • “O auditor tal me garante;
    • Tenho três ícones no CA e isso me garante;
    • O programa tal de integridade me garante”
  • Vieses cognitivos, e todos somos vítimas deles, desafiam o mito da racionalidade no processo decisório.
  • O CA capta os sinais comportamentais? Modela a cultura? Tem consciência da diferença de Princípios e Valores publicados nas paredes e o comportamento da gestão no dia a dia?

Hoje há um número muito grande de empresas iniciando a jornada. A elas um alerta: boas práticas de governança corporativa são a inspiração, a prática da boa governança é o seguro.

Enfim, a governança é uma caixa preta que precisamos explorar, e fazê-lo com a ajuda da Sandra é um prazer, como sentirão ao assistir a entrevista.

Bom proveito!

Se você gostou, compartilhe. Se quiser enriquecer o tema com teus comentários, seja bem-vindo!